“A política de saúde mental como direito”

Compartilhar

Fernanda Nunes, psicóloga da Pastoral da Mulher participou da etapa preparatória para a plenária no CAPS II em Juazeiro-BA. A mediação foi realizada pelas equipes do CAPS e pelos alunos de residência em saúde mental da UNIVASF de Petrolina.

O tema da conferência livre foi a “a política de saúde mental como direito: pela defesa do cuidado em liberdade, rumo a avanços e garantia dos serviços psicossociais no SUS”. Nesta etapa preparatória o CAPS II recebeu as instituições, usuários, familiares e os profissionais que compõem a rede.

A plenária foi dividida em 4 eixos:

  • cuidado em liberdade como garantia de direito à cidadania;
  • gestão, financiamento, formação e participação social na garantia de serviços de saúde mental;
  • política de saúde mental e os princípios do SUS: universalidade, integralidade e equidade
  • o impacto na saúde mental da população e os desafios para o cuidado psicossocial durante/pós pandemia.

A importância delas para o município de Juazeiro é o foco na integração e consolidação das discussões realizadas nos CAPS. O município de Juazeiro vem na luta pelo fortalecimento de políticas públicas e o cuidado em liberdade.

A plenária aconteceu no colégio modelo Luís Eduardo Magalhães no dia 11/04 e contou com a participação aberta aos usuários, trabalhadores, gestores e instituições.

A professora e doutora Bárbara Cabral parabenizou o município de Juazeiro pelas plenárias realizadas para decidir os caminhos da saúde mental dos municípios, a mesma contextualizou sobre a reforma psiquiátrica que vem há 26 anos propondo a experiência da loucura cuidada e liberdade, indo além da psiquiatria centrada no hospital optando  pelo tratamento que mantenha o paciente na comunidade. Ressaltou ainda que a Bahia tem um plano de desinstitucionalização e chama a atenção para os retrocessos do atual governo.

Em seguida houve a apresentação dos eixos e as propostas construídas em cada serviço sendo aprovados pelos presentes. Finalizando, houve a apresentação de recitais e poesias pelos usuários dos serviços e o coffee break com a eleição de delegados, sendo eleitos representantes dos serviços, usuários e gestores.  

Conteúdos do blog

As publicações deste blog trazem conteúdos institucionais da Pastoral da Mulher – Unidade da Rede Oblata Brasil, bem como reflexões autorais e também compartilhadas de terceiros sobre o tema prostituição, vulnerabilidade social, direitos humanos, saúde da mulher, gênero e raça, dentre outros assuntos relacionados. E, ainda que o Instituto das Irmãs Oblatas no Brasil não se identifique necessariamente com as opiniões e posicionamentos dos conteúdos de terceiros, valorizamos uma reflexão abrangente a partir de diferentes pontos de vista. A Instituição busca compreender a prostituição a partir de diferentes áreas do conhecimento, trazendo à tona temas como o estigma e a violência contra as mulheres no âmbito prostitucional. Inspiradas pela Espiritualidade Cristã Libertadora, nos sentimos chamadas a habitar lugares e realidades emergentes de prostituição e tráfico de pessoas com fins de exploração sexual, onde se faz necessária a presença Oblata; e isso nos desafia a deslocar-nos em direção às fronteiras geográficas, existenciais e virtuais. 
Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.