EspiritualidadeSensibilização

UMA HISTÓRIA DE 86 ANOS DE AMOR E COMPROMISSO

Compartilhar

As Irmãs Oblatas iniciaram sua história no Brasil em 31 de janeiro de 1935, quando sete irmãs vindas da Espanha chegaram ao Rio de Janeiro com a missão de construir educandários para acolher meninas de famílias que viviam em situação de vulnerabilidade social.

Hoje, 86 anos depois, trazemos a memória às irmãs Angeles, Eusebia, Encarnación, Felisa e Manuela. As primeiras que, com alegria e entusiasmo, aceitaram o convite que o espírito de Deus as fez e lançaram as primeiras sementes em Terras Brasileiras.

A presença Oblata no Brasil e no mundo é marcada pelo carisma dos fundadores, Padre José Benito Serra e Madre Antônia, atuando em prol das mulheres que exercem a prostituição, em uma missão de libertação e humanização. 

Em celebração a chegada ao Brasil, a Pastoral da Mulher – Unidade Oblata em Juazeiro BA, compartilhou com as mulheres um vídeo produzido pela equipe e com a participação da Irmã Oblata Maria do Rosário, que conta um pouco dessa história.

Carregadas de forças nas mãos e de amor no coração, continuamos essa missão exclamando como Serra: “É a causa de Deus!” 

Que Deus continue nos dando coragem e nos impulsionando neste caminho.  

Conteúdos do blog

As publicações deste blog trazem conteúdos institucionais da Pastoral da Mulher – Unidade da Rede Oblata Brasil, bem como reflexões autorais e também compartilhadas de terceiros sobre o tema prostituição, vulnerabilidade social, direitos humanos, saúde da mulher, gênero e raça, dentre outros assuntos relacionados. E, ainda que o Instituto das Irmãs Oblatas no Brasil não se identifique necessariamente com as opiniões e posicionamentos dos conteúdos de terceiros, valorizamos uma reflexão abrangente a partir de diferentes pontos de vista. A Instituição busca compreender a prostituição a partir de diferentes áreas do conhecimento, trazendo à tona temas como o estigma e a violência contra as mulheres no âmbito prostitucional. Inspiradas pela Espiritualidade Cristã Libertadora, nos sentimos chamadas a habitar lugares e realidades emergentes de prostituição e tráfico de pessoas com fins de exploração sexual, onde se faz necessária a presença Oblata; e isso nos desafia a deslocar-nos em direção às fronteiras geográficas, existenciais e virtuais. 
Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *